Seção Saideira: “- Beto, meu camarada, traz aquela cervejinha. Preciso gelar a guela!” (Nei)

– Beto, meu camarada, traz aquela cervejinha. Preciso gelar a guela! – Nei se ajeitou na banqueta do balcão como um cachorro se aninha no tapete preferido.

– Olha quem voltou! Meu velho Nei, o mais ranzinza desse botequim. E você voltou em ótima hora, heim? Bar quase lotado, alegria de morte desse pessoal… – Beto abriu os braços, mostrando o cenário.

– E como vou tomar sem máscara, Beto? É tipo tomar no rabo sem vaselina. Parei de vir aqui. Vizinho morreu, cachorro morreu, peixe morreu e me fodi nessa. Eu que não vou ser o próximo dessa lista de vacilação.

Nei virou a cara carrancudo e despejou:

– E, se liga, nesses dias de descanso de boteco me rendi pra essas lives…e só me confirmou: uma merda. Não me pega. Som ruim, imagem ótima. Isso é música ou desfile de moda? Os caras fazem cenário, nego até finge que tá no palco. E o pior: vêm aqueles apresentadores com discursinho montado parecendo espontâneo falando pro público como se fossem idiotas. E fiquei pensando: isso não é aproximar o artista do público, porra! É aproximar a marca do óbvio.

– E a casa dessa patronagem, heim? A casa do Alexandre Pires é um condomínio…mas a do Zeca e foi na casa, mas o cenário foi ducaraio!

– Essa imagem vendida da vida privada, enquanto a maioria sem nenhum tá na merda, é propaganda da miséria aceita que vivemos. Nego baba ovo pra um monte de artista vendido e rendido nessa imagem do miserê generalizado. A real é que quem banca essa porra é patrão do miserê, entende?

– Pode ser…bebeu rápido, heim? É pra tirar o atraso? Vai continuar aqui no canto do bar? Não quer uma mesa fora?

– Eu quero é meu perdigoto voando na cara da gentalha, essa é a verdade. Se liga, em que país nego acha que estabilização em patamar alto é bom? No Brasil a economia tem espasmos na nossa história; mas o coronga mostrou que essa é a nossa economia de verdade. Mata uns, dá uma aliviada na previdência, como uma desgraçada falou, arma toda a gentalha e a guerra tá toda articulada.

– E esse papo do novo normal, Nei?

– Vamo todo mundo tomá na bunda com a esperança da roda girar de novo. Lá o Putin e os filhos do Putin. E se fosse o Trump, seriam os filhos desse alaranjado. Cá pra nós: o nosso normal é uma gentalha branca de bem que só pensa na sua carreira medíocre pra fingir que se afirma em algum lugar, quando é que se afirma. Não tem laços, a não ser com uns outros branquelos, só quer escadinha pra pisar no outro. E adora ser capitão do mato, patrãozinho de condomínio, é só ver a primeira oportunidade. Então o novo normal é a mesma merda, só que diferente. É bosta revirada.

– Nei, se liga! li num biscoitinho chinês: Se você tentou falhar e conseguiu, você descobriu o que é o paradoxo.

– E essa gentalha nem sabe o que é paradoxo e acham que estão se dando bem. O João Antonio chamava de “classe mérdia”.

– Hoje o papo tá fedido, né? – arrebatou o garçom.

– Aliás, Beto, vá cagar! Ficar bebendo do lado do banheiro não dá…antes eu ficava como rei, agora pra viver fico aqui à beira da merda.

– E esse não é o novo normal?

Nei se ajeitou como um cachorro, nem lá nem cá…a bunda, naquela banqueta, não tinha mais remendo… nem pra vacina do Putin.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s